Globalização, tendências e lições


Desde o final do século passado que se observa mudanças nunca vistas na história recente, nem na antiga. A Cortina de Ferro e a União Soviética feitas aos pedaços. Este é um evento singular, pois nunca um grande império desapareceu de maneira tão sutil, sem guerras nem revoluções. Adicionado a esse fato insólito, observamos a China, com sua perspectiva ortodoxa de comunismo, adotar uma linha de desenvolvimento econômico baseada no capitalismo. Jamais pensado, em tão curto prazo!

E agora, em conjunto com o aquecimento global, e essas mudanças estruturais no contexto global, observou-se também a queima de trilhões de dólares (crise econômica de 2008 e recessão global)!

Sem dúvida, é um momento único na história da humanidade.

O que se pode concluir, com estes acontecimentos?

Primeiro, nada é eterno.

Segundo, é necessário ter uma visão de futuro mais alargada e cenários prospectivos sem a ganância e interesses particulares de determinados grupos econômicos, políticas ou regiões e pensar global e agir global, ou a próxima geração não terá um mundo para viver.

Terceiro, os mercados necessitam de controle sem dúvida, apesar dos muitos agentes e "fábricas" do "dinheiro fácil" não concordarem. No entanto, a necessidade desse controle não justifica a desculpa para a estatização ou socialização de economias já organizadas para o livre comércio e de mercado aberto. O Estado deve, como definido na maioria das constituições, atuar como regulador da Ordem, Justiça e preservação e respeito das liberdades e direitos individuais. O que se observa hoje, é a falta de Ordem, Justiça e Respeito.

Quarto, lembrar de uma estratégia básica, recorrendo a uma analogia, nunca colocar todos os ovos na mesma cesta, isto é, não aplicar todas as reservas em uma só economia, mercado ou fundo.

Quinto, Um poder global equilibrado (econômico, político e militar) é fundamental para a democracia global e para diminuir as desigualdades. Não existe mais espaço para radicalismos ou posições hegemônicas. Se não houver participação ampla e consenso na aldeia global, o processo de reversão da atual crise mundial será mais demorado e com perdas e eventos econômicos e sociais não desejáveis, tanto nos países desenvolvidos como nos em desenvolvimento.

Sexto, o mundo está em constante evolução e transformação, nada é estático, ninguém é dono da verdade ou da única maneira correta de se fazerem as coisas, o trabalho em equipe e o comprometimento, hoje, é mais necessário do que nunca. A conscientização da existência e o conhecimento de diversas culturas e costumes é fundamental para que se possa agir e interagir globalmente e em equipe.

Sétimo, diariamente se está aprendendo!

Oitavo, como corolário do ponto anterior, esta é uma lista sem fim.